quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Projeto Arena


A nova casa do Grêmio já pode ser descrita em números. O projeto, que prevê a construção de um estádio para 51 mil pessoas. Serão quatro anéis, três com cadeiras e um apenas com camarotes. Os quatro níveis formarão um caldeirão de 35 metros de altura — algo próximo a um prédio de 11 andares e com sete metros a mais de altura que a Bombonera, do Boca Juniors. — Não será um campo neutro.
-"Nossos adversários sentirão pressão maior do que se jogassem na Bombonera"— diz, entusiasmado, o vice de planejamento, Eduardo Antonini.

Um ano após a assinatura do contrato com a AAA, para estudo de viabilidade da obra, a construção da arena começa a ser debatida pelo Conselho Deliberativo em reunião extraordinária na quinta-feira. A discussão promete ser acalorada. Os integrantes receberão informações detalhadas sobre a Grêmio Empreendimentos, empresa que gerenciará a obra. O presidente Paulo Odone e Antonini esmiuçarão o projeto no encontro. Na próxima semana, no dia 26, representantes do consórcio TBZ-OAS e da Norberto Odebrecht, as duas empresas que disputam à obra, irão ao Conselho expor os seus projetos. A TBZ-OAS pretende erguer o novo estádio na Azenha, no mesmo terreno do Olímpico. A Odebrecht prefere uma área no bairro Humaitá, na zona norte da Capital. Até metade de dezembro, será escolhida a proposta vencedora.
Eleito presidente do Conselho em 31 de outubro, Raul Régis de Freitas Lima sustenta que a maioria dos conselheiros é favorável à construção da arena. Sua única preocupação é quanto à transparência do projeto.
-"Pelo menos 200 conselheiros não conhecem o projeto" — diz Régis. O novo presidente lembra que 82 novos nomes foram eleitos na renovação de setembro e mais de cem não participaram, em novembro do ano passado, do encontro em que foi aprovada a contratação da AAA.
-"Faremos tantas reuniões quantas forem necessárias. Este é um assunto que precisa ser exaustivamente debatido, para que não pairem dúvidas" — avisa. Antonini não acredita em maiores resistências. Está convencido de que as explanações previstas para os dias 22 e 26 provocarão entre os conselheiros o mesmo entusiasmo existente entre os dirigentes.
-"O clube obterá uma evolução gigantesca"— confia Antonini, apostando que o Grêmio ainda segue na luta para sediar jogos da Copa de 2014.

Projeto para o novo estádio
Nenhum torcedor ficará desabrigado em dias de chuva, a área será coberta, irá se estender por 58,3 metros, alcançando até o fosso.
O estádio terá quatro andares, mas a distância do último lance de cadeiras até o campo serão a mesma do Olímpico: 68 metros
Quem sentar no primeiro anel, equivalente à arquibancada inferior, ficará a 14 metros do gramado, contra 40 metros do Olímpico.
A direção encontrou uma saída para conservar a avalanche. Em jogos comuns, as cadeiras localizadas atrás de uma das goleiras serão removidas, voltarão a ser afixadas quando o jogo exigir padrões da Fifa em jogos de Eliminatórias ou Copa do Mundo.
A construção criará o efeito "caldeirão", com 35 metros de altura, 20 metros a mais que o Olímpico.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cadê o projeto???
Só vi uma foto.
LLLIIIIIXXXXXOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!11111